O por quê da faixa azul em Maceió-AL

Desde ontem (17/02/14), passou a vigorar a faixa exclusiva para o tráfego de ônibus no eixo viário Fernandes Lima/Durval de Góes Monteiro, com fiscalização da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT). Até o dia 09 de março, no entanto, os condutores serão apenas orientados acerca da importância de se respeitar o espaço de circulação do transporte coletivo. A partir do dia 10, aqueles que desrespeitarem a nova faixa exclusiva serão autuados.

Com a notícia de implantação da faixa, inúmeras manifestações surgiram nas redes sociais. Lamentavelmente, a maioria delas são de vozes indignadas, esbravejando argumentos baseados no senso comum, alegando que a faixa é um erro e que representará o caos para o trânsito local. “Uma ideia insana”, dizem alguns.

Acontece, meu caros, que o caos já está instalado! Há muito tempo…

E, definitivamente, não foi o transporte público coletivo que o causou.

É triste, porém compreensível que muitos sejam contra a mudança. Afinal, vivemos em uma sociedade em que a mobilidade urbana foi, desde os anos 50, centrada no automóvel. Só que este modelo é completamente insustentável.

Entram em Maceió 27 carros (fora motos e outros veículos) em média todos os dias. Estes veículos demandam espaço público para circulação, estacionamento e parada. Só para suprir tal demanda, seria necessário a construção de pelo menos 6km de novas vias todos os anos. Isto é impraticável, insustentável e, isso sim, insano.

Não há como o sistema viário crescer para sempre. As cidades têm limitação espacial e não se pode dedicar todo o espaço disponível para que as pessoas circulem com seus carros. Precisamos de praças, parques, calçadas amplas e de qualidade. Afinal a cidade é feita para as pessoas e não para carros.

Imagem

Nós nos acostumamos a sermos dependentes de nossos automóveis. A indústria automotiva e segmentos ligados a ela, associados a dinâmicas econômicas e à imprensa, foram os grandes responsáveis pela criação da cultura do automóvel, que, por sua vez, gerou a imagem de que o transporte coletivo é nada mais do que um mal necessário até que seja possível comprar um automóvel.

Imagem

A questão é que, simplesmente, não cabem tantos carros no espaço público. Obras como viadutos, pontes, túneis e ampliação de vias são paliativas quando o modelo de mobilidade é centrado no automóvel. Os carros são como substâncias no estado gasoso: quanto mais espaço é dado a eles, mais eles se expandem. Muitos viadutos em Maceió que representaram uma melhoria para o trânsito local, em curto prazo se transformaram em meros transportadores de engarrafamentos de um ponto ao outro da cidade.

Desta forma, se precisamos nos mover e o espaço para fazê-lo é limitado, é preciso que nos movamos da forma mais eficiente possível. E esta forma é através do transporte coletivo.

Por isso a implantação da faixa exclusiva. Para que o sistema de transporte mais eficiente, que carrega mais pessoas, ocupando menos espaço, poluindo menos e sendo muito mais democrático possa ter a prioridade no espaço público. Prioridade esta garantida por Lei (12.587/12).

Imagem

A faixa azul não está usurpando uma faixa dos carros. Os carros é que invadiram o espaço público. O direcionamento de espaço exclusivo para o transporte coletivo é uma recuperação de um espaço que é da coletividade.

Esta medida, ao contrário do que muitos pensam, beneficia até mesmo o usuário do carro. Vejam quando os trabalhadores que operam o sistema de transporte por ônibus entram em greve, o que acontece? Engarrafamento em todas as vias, certo? Por que?

Porque todo mundo que tem seu carrinho é obrigado a tirá-lo da garagem pra poder se mover. Quanto menos pessoas necessitarem sair com seus carros diariamente, melhor para todo mundo.

Países com altos índices de desenvolvimento e com mobilidade de qualidade possuem mais carros que o Brasil (proporcionalmente). A diferença é que nestes lugares as pessoas têm a opção de só usarem seus carros ocasionalmente e moverem-se diariamente através do transporte público.

Olhem para São Paulo, que está a alguns anos de desenvolvimento e de problemas à nossa frente. A cidade perde R$ 40 bilhões anualmente em engarrafamentos, quase o equivalente ao que tem disponível em seu orçamento para 2014 (R$ 42 bilhôes).

Até mesmo os EUA, pátria do automóvel, já percebeu a insustentabilidade deste modelo de mobilidade e têm investido esforços no sentido de mudar o curso de sua história. Um símbolo desta transformação é o fechamento de parte da Times Square para os carros. O que era visto antes como uma ação impossível de ser colocada em prática, uma insanidade, está funcionando como poucos previam. E, ao contrário do que muitos apontavam, o trânsito melhorou e as lojas incrementaram suas vendas. As pessoas ganharam um espaço que era dominado por carros.

Imagem

É este o modelo de “desenvolvimento” que queremos?

Imagem

Imagem

Penso que não!

E é através de ações como a destinação de espaço exclusivo para o transporte público coletivo que começamos a dar um passo em direção à transformação de nossa realidade.

Em suma:

  • O que é transporte público de qualidade?

Em geral, é aquele que funciona de forma sistêmica, atendendo aos seguintes critérios: multimodalidade; tarifas justas (ou tarifa zero); prioridade nas vias de tráfego; conforto, pontualidade, legibilidade e confiança do sistema; e capilaridade pela cidade.

  • Sendo assim, a faixa exclusiva vai resolver os problemas do nosso transporte público?

Não! Sem dúvidas! Porém é uma medida importantíssima no sentido de valorizar a forma mais eficiente de se mover pela cidade. Ela não irá resolver todos os problemas, mas pelo menos o de termos ônibus que transportam 7,5 milhões de pessoas por mês presos no meio de um mundo de carros em um corredor viário da cidade, vamos ter resolvido.  É claro que o problema do transporte como um todo da cidade, realmente, não será solucionado, até porque trata-se de um problema complexo que não se resolve do dia para noite. Um passo de cada vez. Cabe a sociedade exigir que sejam dados os próximos passos.

  • É a melhor solução?

Da forma como está sendo implantada, não!
Os corredores de ônibus devem ser implantados, sempre que possível, no lado esquerdo da via. No caso da F.Lima D.G.Monteiro, o corredor deveria estar junto ao canteiro central. Assim não teríamos conflitos com os movimentos de conversão, estacionamento e parada e com os ciclistas. Não é a melhor, mas como já dito, é um avanço.

Imagem

Anúncios

Tags:, , ,

About Renan Silva

Renan Silva - Arquiteto / Urbanista - Mestre em Planejamento para do Desenvolvimento Local - Especialista em mobilidade urbana - 31 anos - Time do coração: CRB

78 responses to “O por quê da faixa azul em Maceió-AL”

  1. Sol Torres says :

    Ótima matéria! parabéns pelo discernimento!

    • Renan Silva says :

      Obrigado Sol, caso tenha interesse em ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui.

  2. André Peixoto Braga says :

    Caro Renan, gostei do texto e gostaria de poder distribui-lo em meu local de trabalho, onde vários funcionário são motoristas.

    • Renan Silva says :

      Boa tarde André. Desculpe a demorar em responder. Fique a vontade em distribuir o texto. Abraço

  3. Mary Lane says :

    Gostei do texto! Lembrei aqui uma coisa que piora muito o trânsito,é a falta de sincronização dos semáforos! Na Fernandes Lima, abre um e o próximo já fechou! Acredito que é uma coisa simples de resolver. Por que não fazem isto?

    • Renan Silva says :

      Realmente Mary. A chamada “onda verde” melhorar o fluxo, mas pra ela funcionar é preciso que haja uma velocidade constante no eixo viário. No caso da F. Lima DG Monteiro, temos alguns problemas como a sobrecarga do eixo viário e a grande quantidade de cruzamentos.

  4. Mary Lane says :

    Adorei a matéria. Uma coisa que lembrei e que é um grande problema em Maceió é a falta de sincronia dos semáforos! Abre um e o próximo fecha, o que
    Piora o engarrafamento!!! Será que é tão difícil resolver isto?

  5. Edelina says :

    Muito bom seu texto. Parabéns pela iniciativa e pelos esclarecimentos 😉

    • Renan Silva says :

      Obrigado pela atenção Edelina. Você pode seguir o blog, caso tenha interesse em ser atualizada acerca dos próximos posts.

  6. Manoel Messias Ferreira da Costa says :

    Renan, parabéns pelo texto, pela lucidez e pelo compromisso com os valores e princípios que podem levar à construção de uma cidade mais justa e portanto, melhor de se viver.

  7. Asilado Virtual says :

    Paliativo que não resolve o problema, a faixa azul em Maceió!
    Há tempos há avisos de sobra sobre a explosão do trânsito nas grandes e médias cidades, mas às autoridades só interessa o consumo de carros, pois o imposto é altíssimo e ainda mais dando aos menos favorecidos crédito fácil para a compra de carros, faz a mediazinha eleitoreira com o povo, que se endivida, acreditando que comprando seu sonhado carrinho vai fugir da tortura do “busão”, trocou seis por meia-dúzia…

    • Renan Silva says :

      Vivemos, infelizmente, na sociedade do automóvel, meu caro. Precisamos lutar para que isto mude.

  8. Mônica AC says :

    Concordo com tudo Renan, parabéns por seu bom senso, só sinto que infelizmente adotar a faixa azul tenha vindo antes da melhoria dos coletivos, tanto em quantidade quanto em qualidade. Espero que o tempo entre esta implementação e a melhoria dos coletivos não seja longo. Quanto a utilizar o lado esquerdo para a faixa azul é o mais coerente, embora me preocupa a noção de limpeza que as pessoas tenham ao utilizar o canteiro, mesmo que seja em alguns trechos, há que se pensar nisto também. Já me inscrevi e espero ler mais texto seus.

    • Renan Silva says :

      Seus argumentos são coerentes Mônica. É preciso realmente investir na melhoria da qualidade do nosso sistema de transportes. Obrigado pela atenção.

  9. Simony says :

    Tudo muito bonito e perfeito se tivéssemos transporte público de qualidade!!! Acho que se descobriu um santo para cobrir outro, simples assim!! Quem trafega pela Fernandes Lima diariamente, sabe exatamente de que eu estou falando.

    • Renan Silva says :

      Qualidade é um termo complexo, Simony. Concorda? A destinação de espaço para a circulação do transporte público confere qualidade ao mesmo. Não resolve seus problemas, claro. Não lhe atribui a qualidade que se espera dele, sim, mas contribui para que, pelo menos, sejam diminuidas as suas carências.

  10. André Cavalcanti says :

    Muito bom! É isso mesmo! Sempre defendi essa ideia de que a única solução para o trânsito de Maceió está no transporte público, pois um ônibus substitui cerca de 45 carros. Raramente encontrava pessoas que concordavam comigo. Sou advogado e noto constantemente o estranhamento de vizinhos que me dão carona e às vezes perguntam “Por que você não compra um carro?”. Eu digo que as ruas não tem espaço para mais carros. Já passei por isso várias vezes, pois o assunto desperta o interesse dos outros e, no decorrer da carona, enquanto as pessoas discordam de mim, eu exemplifico mostrando o trânsito do lado de fora e ainda ironizo que “Nós só estamos parados no trânsito porque a sociedade pensa igual a você, motorista, que não abre mão do seu ar-condicionado pelo bem geral”. Inclusive convenci minha namorada, que possui carro, a não trocá-lo a cada 3 anos por um zero, como se “recomenda”. As pessoas alegam que se passar desse tempo o carro vai desvalorizar e vão vender muito mais barato. De fato vão, o que não entendo é que as pessoas não enxergam que é insustentável que todos aqueles que tenham carro coloque um novo nas ruas a cada 3 anos! É ingenuidade pensar em carro como um investimento! Carro desvaloriza desde o dia em que o tiramos da loja! É um luxo, um conforto. Enfim, embora pouco esperançoso, desejo ver o problema do trânsito um dia resolvido, ou melhorado. É uma questão cultural. Também duvidei da efetividade quando vi as faixas azuis começarem a ser pintadas, mas aos poucos fui as entendendo e realmente me parece um bom passo. Li alguma reportagem onde o prefeito ou algum secretário afirmava ser o início de uma trabalho em prol do transporte público. Assim espero. Só acrescento um item não mencionado aos requisitos necessários para um bom transporte público, a SEGURANÇA, pois qualidade, quantidade e preço não são suficientes. O transporte público hoje é estigmatizado e evitado principalmente por este fator, ou pela falta dele! Parabenizo mais uma vez o artigo. Seguirei como o “fracassado” do texto! =) Abraço

    • Renan Silva says :

      Muito bom André. Sua forma de pensar a cidade precisa contagiar a sociedade. A questão da segurança é realmente muito importante. Caso tenha interesse em ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Obrigado pela atenção. Abraço

  11. mariene says :

    otimo texto Renan! concordo com genero numero e grau… quando ouço alguem reclamando da faixa exclusiva para onibus ou bicicletas.. fico louca.. pois os motoristas de seus carros individuais… tem sempre uma visão muito fechada, e soh conseguem perceber que perderam uma faixa.. como se isso fosse diminuir de fato o congestionamento (ilusao)! Acredito que o corredor eh um passo como vc disse… mas sem melhoria da frota, aumento e passagens justas… fica dificil acalmar todos os animos!!!!
    Parabens!!!
    fico feliz de saber novidades sobre vc desta forma! 🙂
    (nao sei se lembra de mim.. HAHAHa..)
    bjus Beneia/ mariene

  12. Alexmcz says :

    Parabéns, faço uso do transporte público e sinto diariamente as consequências , dos reflexos do caos do transito da cidade, já nem me lembro das vezes que perdi a paciência de tanto aguardar ônibus em ponto que chegam a durar + de 45 minutos , ou de ficar preso no engarrafamento por + de 2horas em horário de pico.Fico na expectativa da melhoria a cada dia do mesmo. Felicidades !!

    • Renan Silva says :

      Legal Alex. Caso tenha interesse de ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraço

  13. Alagoano says :

    Só tenho três perguntas a fazer,

    1) Por que ainda não sincronizaram os semáforos da Fernandes Lima e Durval de Góes Monteiro?

    3) Se os benefícios são a médio prazo e a curto prazo deveremos ter a implantação do VLT, então por quanto tempo será utilizada esta faixa?
    http://www.mobilize.org.br/noticias/5290/governador-autoriza-elaboracao-do-projeto-do-novo-vlt-de-maceio.html

    2) Quando iniciar a obra do VLT terão que interditar no mínimo 1 faixa para a obra, vai ficar apenas 1 faixa para todos os demais veículos?

    A obra do VLT está atrasada, era para iniciar em 2013 e concluir este ano e já existe até recursos para isso.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/VLT_de_Macei%C3%B3

    VLT (bilhete único, integração, etc.) vai de encontro aos interesses dos empresários de ônibus que são maiores financiadores de campanhas eleitorais em Maceió. O VLT é a única solução (infelizmente alegam falta de recursos para metrô), faixa azul foi feita apenas para beneficiar empresário de ônibus, que vai economizar diesel e desgaste dos ônibus.

    Enquanto o VLT é mais barato, mais rápido, mais limpo, mais organizado, mais seguro, ecologicamente correto, etc.

    Volto a perguntar:
    Quando iniciar a obra do VLT terão que interditar no mínimo 1 faixa para a oba, vai ficar apenas 1 faixa para os carros?

    Quem acha que Faixa Azul na Fernandes Lima é para beneficiar “transporte público”, “sociedade”, “coletividade” é porque é muito ingênuo.

    • Renan Silva says :

      Caro colega,

      Obrigado pela visita.
      Comentarei as suas questões:

      1) Esta pergunta você teria que fazer à SMTT, pois ela é a responsável pelo controle do trânsito na cidade, mas de antemão comento que a sincronização não é tão simples. Para que funcione é preciso que haja uma velocidade relativamente constante no eixo viário e esta é uma dificuldade que temos, mas sim, é uma ideia a ser debatida, sem dúvidas.
      2 e 3) Os benefícios da faixa azul são imediatos. Os usuários de ônibus já estão comemorando os resultados. Imagino que ela funcionará até o começo da implantação do VLT. Não sei como será a estratégia de montagem do canteiro para construir a estrutura do VLT. Eu tive a oportunidade de ver como está sendo feito em Cuiabá e lá eles estão tendo muitos problemas, pois o canteiro consome um espaço significativo da via. Se tivermos a obra do VLT, mais a faixa azul, certamente teremos graves problemas, pois só sobraria uma faixa para os automóveis, motocicletas… mas esta questão também deve ser direcionada à SMTT. Não sei como está o planejamento deles, mas certamente eles estão pensando na melhor forma de organizar a transição.

      Para finaliza, discordo do seu posicionamento acerca dos benefícios da faixa azul, mas estamos aqui para debater. Abraços

  14. Fernanda Fontenele says :

    TENHO CARRO PARTICULAR E CONCORDO COM A FAIXA AZUL. SABE PORQUE VOU AO TRABALHO DE CARRO? PORQUE O NÚMERO DE ÔNIBUS É INSUFICIENTE. TEMOS 1 MILHÃO DE HABITANTES. SABE QUANTOS ÔNIBUS TEMOS CIRCULANDO? MENOS DE 700, ISSO SEM CONTAR OS QUE SE ARRASTAM NAS RUAS, OS BAIRROS QUE SÓ TEM 2 OU 3. OS QUE SÃO RETIRADOS ESTICANDO O ITINERÁRIO DE OUTROS PARA O EMPRESÁRIO ECONOMIZAR. POR EXEMPLO: A LINHA AV. ROTARY – CENTRO FOI RETIRADA E COM ISSO O TRAJETO DO ÔNIBUS QUE FAZIA GRUTA -CENTRO PASSOU A FAZER O SEGUINTE PERCURSO: GRUTA- AV. ROTARY, CENTRO E NOVO MUNDO, COM ISSO AS VIAGENS PASSARAM DE 20 MINUTOS PARA 1 HORA E SABE QUANTOS CIRCULAM? APENAS 4. TEM COMO AGILIZAR? IMPOSSIVEL. PORTANTO VAMOS SER HONESTOS NÉ?

    • Renan Silva says :

      O transporte público de nossa cidade ainda é muito ruim, Fernanda. Infelizmente. A sociedade precisa lutar para que esta situação mude. Caso tenha interesse de ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraço

  15. Caio litrenta says :

    Texto bom, gramática ruim. Rsrs

    • Renan Silva says :

      Boa tarde Caio. Grato pela atenção. Gostaria que você comentasse os problemas gramaticais do texto. Assim poderei revisá-lo. Abraço

  16. Roland Freire says :

    Enfim um voz lúcida no meio de tresloucados que tercem opiniões baseadas em achismos Excelente artigo. Parabéns

    • Renan Silva says :

      Obrigado pela atenção Roland. Caso tenha interesse de ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraço

  17. Luiz Costa says :

    Concordo plenamente Renan e também com restrição para finais de placas em horários de pico, à exemplo do que acontece em SP, e tambem para veículos de carga com tonelagem acima de 3 toneladas. Exemplo: final 1 e 2 (segunda-feira) 3 e 4 (terça-feira) e assim por diante.

    • Renan Silva says :

      O rodízio é uma questão polêmica, Luiz, mas é importante discutir. Caso tenha interesse de ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraço

  18. veronica maria says :

    Confesso que fiquei de nariz virado achando que seria legal , mas não via como poderia dar certo esta ideia da faixa azul, pois bem, para mim que usuária de coletivos e não possuo carro, houve uma melhora significativa de 75% na mobilidade do transito, fiquei um pouco cética, pois ideias boas aqui em maceió nunca conseguem vingar, pois a população só reclama, mas não toma iniciativa p/ melhorar, e qdo aparece alguém que o faz recebe críticas, este texto deveria ser sintetizado e repassado p/ toda a população, principalmente p/ os que torcem contra o projeto, parabéns!!!!

    • Renan Silva says :

      Muito obrigado Veronica!
      Caso tenha interesse de receber notificações acerca das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraços

  19. Vanuza says :

    O texto é muito bom. Seria ótimo poder ir trabalhar utilizando o transporte público. Pela rapidez já vi que será realmente eficaz, já pela segurança… Ainda não!

  20. Eleonora says :

    Concordo plenamente. Só será necessário uma maior fiscalização, tem muiiiiiiito caminhão circulando fora do horário determinado. 10!

    • Renan Silva says :

      É verdade Eleonora, mas me parece que a prefeitura está trabalhando no sentido de regulamentar também a circulação de caminhões.

    • Renan Silva says :

      Caso seja de seu interesse, você pode seguir o blog e receber notificações de atualização no seu email.

  21. Kátia says :

    Parabéns, Renan! Uma voz sensata, com conhecimento de causa. Faltou falar das faixas, caso as paradas ocorressem no canteiro central para proporcionar a passagem dos pedestres, o que significa um programa de educação para o trânsito e respeito à faixa.

    • Renan Silva says :

      Boa Kátia. Esse é um tema importante mesmo. Neste caso as paradas deveriam estar alinhadas com as travessias semaforizadas e passarelas, de preferencia.

    • Renan Silva says :

      Caso seja de seu interesse, você pode seguir o blog e receber notificações de atualização no seu email.

      • Kátia says :

        Farei isso. Gostei do seu texto e gosto muito desse tema. Torço para que a mobilidade urbana esteja efetivamente entre as políticas públicas sérias no Estado. Precisamos urgente!

  22. João says :

    Muito boa a matéria. Após ler-se, tem-se um melhor entendimento do problema e da busca pela solução.

    • Renan Silva says :

      Fico feliz João. Caso seja de seu interesse, você pode seguir o blog e receber notificações de atualização no seu email.

  23. MANUELLA says :

    MUITO BOM RENAN SEU TEXTO!

    • Renan Silva says :

      Obrigado Manuella
      Caso seja de seu interesse, você pode seguir o blog e receber notificações de atualização no seu email.

  24. madeinnordesteBeto says :

    Irado! Também concordo que o uso do transporte público é essencial para a diminuição de carros nas vias, mas a população só deixará seus carros em casa para andar de ônibus/trem/etc quando eles forem realmente eficientes como vc disse, e infelizmente e principalmente aqui em Alagoas parece piorar.

    Sobem os preços, não aumentam a quantidade de ônibus, os horários quase nunca são cumpridos e ainda por cima, a questão da segurança como um todo.

    Mas como dizia o Chico: -Um passo a frente e você não estará no mesmo lugar!

    Seja bem-vinda faixa azul 🙂

  25. Marllus Gustavo says :

    Uma das melhores síntese sobre o uso coletivo do espaço público, no tocante ao trânsito, que eu li. Parabéns!

    • Renan Silva says :

      Obrigado Marllus. Caso seja de seu interesse, você pode seguir o blog e receber notificações de atualização no seu email.
      Abraço

  26. Eline says :

    Ah…e vamos torcer por essa melhora na frota de ônibus, o primeiro para a melhoria do transporte público foi dado! Parabéns pela matéria!

  27. Eline says :

    Concordo com você Renan! Só acho também que o transporte público, para se tornar mais atrativo, precisa de grandes mudanças. Em minha opinião, a frota deve ser aumentada e percorrer trechos mais ramificados! Sempre vejo a grande massa de trabalhadores maceioenses “esmagados” dentro dos ônibus!

    • Renan Silva says :

      Há muito o que melhorar, realmente Eline.
      Obrigado pela visita ao blog.
      Se você se interessar pelos temas aborados, pode seguir o blog e receber notificações de atualização no seu email.
      Abraço

  28. Rodrigo says :

    Seria ótimo que realmente tivéssemos um transporte público eficiente. Infelizmente a eficiência do nosso transporte público esbarra na falta de segurança, no contingente de transportes para dar suporte a uma demanda que provavelmente irá aumentar. Seria muito bom que pudéssemos deixar nossos carros em casa e levar nosso iPad, notebook, celulares sem nós preocuparmos em sermos assaltados. Os carros invadiram os espaços públicos, certo. Mas o que seria dos espaços públicos se os proprietários dos carros não os tivessem e não pagassem o IPVA? Se essa medida vai ou não continuar provocando discussões eu não sei, porém, o que acredito é que Maceió está muito longe dos exemplos dados. Infelizmente não será fazendo faixas exclusivas de ônibus que o caos irá diminuir.

    • Renan Silva says :

      Caro Rodrigo,
      Sobre sua pergunta: “o que seria dos espaços públicos se os proprietários dos carros não os tivessem e não pagassem o IPVA?”
      O espaço público existe para cumprir uma série de funções. Lazer, interação social, deslocamentos, construção de identidade e cultura… Assim que, sem a quantidade enorme de veículos que invadiram nossas ruas, nós teríamos muito mais espaço para todas estas atividades.
      Quanto ao IPVA, imagino que sua preocupação é com a perda de receita. De fato, o estado perderia arrecadação sem o pagamento de IPVA com um hipotético desaparecimento dos automóveis, mas, pode apostar. Não demoraria para comemorarmos! Pois teríamos um ambiente menos ruidoso, menos poluído, menos hostil. E mais, economizaríamos muito, com a redução dos custos de acidentes, de congestionamentos, estresse… entre outros problemas decorrentes da sociedade do automóvel.

    • Renan Silva says :

      Sobre a questão da segurança, ela realmente é um elemento fundamental para o bom desenvolvimento da sociedade. Leia essa matéria:
      http://www.ducsamsterdam.net/da-relacao-entre-limpar-proprio-banheiro-abrir-sem-medo-mac-book-onibus/

  29. Jéfferson Rosendo says :

    Cara sua matéria, sua visão para o que ta ocorrendo hoje na cidade, foi top, exatamente o que eu pensava, concordo com você em tudo, principalmente na questão em que a faixa exclusiva deveria ser ao lado do canteiro e não ao lado esquerdo… Porem é preciso termos em mente que o investimento seria maior, e se tratando de Brasil seria bem maior e duradouro. Mais seria o correto.

    Mais é isso ai, agora é lutarmos para melhorarem os ônibus, e dar mais qualidade para que ai sim, as pessoas que utilizam carros venham a deixar seu carro apenas para passeios, e utilizar o transporte coletivo, para trabalho!

    • Renan Silva says :

      É isso aí Jéfferson. Obrigado pela visita. Se tiver interesse de ser notificado sobre as próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraço

  30. james says :

    penso que a solucao adequada seria sustituicao do canteiro central por faixas exclusivas dos onibus que andariam na contra mão e os pontos de onibus seriam acessados atraves de passarelas… que tal?

    • Renan Silva says :

      James, penso que a destruição do canteiro central é completamente inviável. Tanto porque seria uma perda inestimável para a cidade e um crime ambiental, quanto porque não solucionaria o problema em médio prazo, mas toda ideia é bem vinda. Obrigado pela visita. Se tiver interesse de ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraço

  31. Simone says :

    Gostei muito da explanação do assunto, é muito lógico.

    • Renan Silva says :

      Obrigado pela visita Simone. Se tiver interesse de ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraço

  32. Natan Cabral says :

    Fala-se muito no assunto, várias reclamações, cada um olhando pro umbigo e nenhuma solução a curto prazo mais eficaz que esta. Muito boa as declarações e exemplos. Parabéns pelo texto e pelas reflexões Renan.

    • Renan Silva says :

      Obrigado Natan. Se tiver interesse de ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraço

  33. Alex Renner says :

    De tudo nessa página, a única incoerência é o time de coração do blogueiro. De resto, tudo muito bom. É bem isso mesmo.

  34. layscastro says :

    Falou e disse, Renan! To acompanhando a reforma da Times Square, cada vez mais estão aumentando o espaço para os pedestres e dá pra ver a loucura diminuindo. Ali as pessoas brigam com os carros, de fato o pedestre vem em primeiro lugar, quem tiver dirigindo que se vire pra freia porque é pior que o centro de maceió. Adorei o texto!

    • Renan Silva says :

      Legal Lays! escreva as suas impressões sobre essa transformação da Times po! Adoraria ler!

  35. Silva says :

    parabéns pela matéria…

    • Renan Silva says :

      Obrigado Silva, caso tenha interesse em ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui.

  36. . says :

    No lado esquerdo da via? E os pontos de ônibus seriam no canteiro? Porque para um ônibus se deslocar do esquerdo para o direito não iria mudar nada. Não entendi…

    • Renan Silva says :

      Exatamente. As paradas seriam no canteiro, mas sem derrubar as árvores. Integrando as paradas à vegetação existente. É assim que será quando o VLT for implantado.

      • Arthur Loureiro says :

        Isso mesmo. Morei em num grande centro por 02 anos e nunca precisei de carro (sim, no brasil). Utilizava transporte publico de relativa qualidade, bicicleta e taxi. Poupei muito dinheiro com combustivel e estacionamento e, o melhor, muita dor de cabeça em engarrafamento! So nao concordo com o sistema adotado aqui: deveria sim, ser na faixa da esquerda. Esta estoria de permitir que os carros se utilizem da faixa exclusiva por 02 quadras em caso de conversao à direita vai dar margem a muitos espertinhos para cometerem abusos e, consequentemente, criar pontos de estrangulamento dentro da faixa exclusiva… e outro detalhe: mais uma vez a ciclovia foi esquecida!

        • Renan Silva says :

          Verdade Arthur. Sobre a questão das 2 quadras, deveriam ser instalados sensores. A fiscalização restrita aos agentes de trânsito realmente abre a margem que você citou.

    • Hermes Vilar says :

      É por isso que alguns ônibus têm aquela porta do lado esquerdo, assim o passageiro pode desembarcar pelo lado esquerdo e o ônibus não atrapalha os carros estando na faixa exclusiva.

      • Renan Silva says :

        Caro Hermes, obrigado pela visita. Caso tenha interesse de ser notificado das próximas atualizações do blog, inscreva-se aqui. Abraço

Trackbacks / Pingbacks

  1. Faixa azul em Maceió tem dado o que falar | Espalhaí - 20/02/2014

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: