Archive | março 2014

Entrevista à CBN, sobre o Programa de Segurança para Maceió

Na semana passada foi ao ar uma entrevista que dei, com as arquitetas Isadora Padilha e Thiara Luz, sobre a violência em Maceió e a necessidade de planejar e atuar sobre as questões que envolvem o tema.

Quem tiver interesse em ouvir, acesse o link e busque o termo:

“Programa de ações contra a violência em Maceió”

 

 

Programa de ações para a redução da violência em Alagoas

cnn

Aqui neste blog, foi publicado em 24/11/2013 um texto (clique aqui para ler) que fala sobre o medo que tem tomado conta da cidade de Maceió, devido ao elevado índice de criminalidade. Na ocasião, foi proposta a montagem de um programa de ações para o combate à violência na cidade. Segue, neste post, um esboço da ideia.

O programa de ações para a segurança de Alagoas (começando por Maceió) foi recentemente abraçado pelo Instituto para o Desenvolvimento das Alagoas e está ganhando um formato mais sólido para ser apresentado ao poder público e à sociedade. O Programa está sendo criado e está aberto a sugestões de todos. Fiquem à vontade em opinar.

A ideia é a seguinte:

O projeto está dividido em sete ações:

  1. Realização de um seminário sobre violência em Alagoas. Seriam convidados especialistas em diversas áreas do conhecimento, para fazerem explanações sobre as causas e efeitos da violência, apresentarem estatísticas, projeções e perspectivas segundo suas áreas de atuação. Antropologia, história, sociologia, assistência social, economia, planejamento urbano, psicologia, ciências sociais… Este seminário teria o objetivo de gerar informação, promover debates e criar o ambiente para a elaboração de um programa de ações;
  2. Realização de uma audiência pública para que a população possa se expressar, registrar demandas, e eleger uma comissão de representantes da sociedade civil para a montagem do Programa;
  3. Montagem de uma comissão, para criar e avaliar o Programa, formada por representantes do poder público, comissão da sociedade civil e especialistas convidados;
  4. Elaboração do Programa, com um cronograma de ações e objetivos, metas e indicadores concretos e mensuráveis de curto, médio e longo prazos;
  5. Criação de um portal na internet e de um aplicativo para celular que seriam utilizados para apresentar tanto informações acerca dos indicadores sociais e índices de violência, quanto do Programa, para possibilitar o seu monitoramento por parte do poder público e da sociedade. Seriam enviadas notificações de atualização aos usuários cadastrados, dos status das ações programadas, do cumprimento ou não de metas, estatísticas, gráficos de indicadores etc. Os indicadores sociais e dados sobre a violência, dentre outros, seriam disponibilizados em formato aberto (processável por computadores) para incentivar a participação da sociedade no desenvolvimento de aplicativos, pesquisas, estudos…;
  6. Realização de uma hackathon[1] com o objetivo de gerar soluções tecnológicas que contribuam para a melhoria da qualidade das informações sobre violência e consecução dos objetivos traçados no plano;
  7. Revisão anual do Programa.

Sugestões?


[1] O Hackathon é uma maratona de hackers, programadores, desenvolvedores e inventores em geral para promover o desenvolvimento de projetos que visem a transparência de informações públicas por meio de tecnologias digitais. Fonte: http://hackathondadoseducacionais.com/